As 4 ações que a indústria precisa tomar para se adequar à nova Revolução Industrial

Businesswoman analyzes business strategy. Enterprise development. The concept of developing innovative technologies. Action plan, management, research. The goal to increase and maximize profit.

Você provavelmente já ouviu falar em indústria 4.0, não é mesmo? Ela vem hoje como uma grande oportunidade para a indústria brasileira de um modo geral vencer o gap de produtividade em relação aos competidores internacionais.

Em outras palavras, a revolução 4.0 aparece como um novo meio para a indústria tornar-se mais produtiva. Essa revolução vem ainda transformando a produção industrial com novos processos, produtos inovadores e modelos de negócios inéditos que tem como objetivo principal otimizar os processos em geral e aumentar a produtividade. Isso significa que pouco a pouco os sistemas convencionais de produção se tornarão obsoletos.

Este, sem dúvida, será um movimento sem volta. Por isso, engana-se quem pensa que a indústria 4.0 é para poucos e que não será preciso se adaptar. Estamos realmente certos de que essa nova revolução será uma transformação e um movimento universal para todas as empresas, independente do porte e ramo de atuação. De fato, existirão muitos desafios para o setor público e privado, mas haverá ainda mais oportunidade para eles.

Desta forma, preparar-se e adaptar-se corretamente a essa evolução é fundamental para as empresas que desejam se manter competitivas no mercado. Para ajudar a indústria brasileira

nesse caminho, neste artigo listamos 4 ações que a indústria precisa tomar se não quiser ficar para trás. Continue lendo e confira.

1.     A indústria deve enxugar seus processos produtivos

Enxugar os processos produtivos de uma empresa significa remover seus excedentes para conseguir reduzir custos. Ou seja, é uma ferramenta que tem como objetivo principal evitar desperdícios seja com a superprodução ou excesso de movimentação. Com isso, diminui custos e aumenta-se a produtividade.

Para fazer isso, as indústrias precisam adotar em sua cadeia produtiva métodos mais consagrados como manufatura enxuta, eficiência energética e uma produção mais limpa.

Ao enxugar o processo produtivo, as empresas conseguem analisar mais a fundo suas deficiências e assim identificar oportunidades de melhoria antes de implantar a digitalização.

Desta forma, é necessário se pensar que digitalizar os processos produtivos é uma maneira de potencializar os ganhos de produtividade desejados com a adoção das novas tecnologias.

Isso inclui principalmente usar ferramentas como a robótica colaborativa e avançada, fazer a adoção de novos materiais como fibras de carbono e grafeno, utilizar manufatura aditiva e híbrida, realidade aumentada e realidade virtual, utilizar o ambiente cyber-físico, sensores em rede, sistemas PLM, MES, Escada, ERP e OEE, entre outros. Além disso, tais ferramentas podem ser combinadas à automação industrial, conectando o mundo real e virtual por meio da IoT, internet das coisas, que gera uma gama de dados chamada de big data.

Não podemos deixar de mencionar que a cloud computing e analytics também são ferramentas que proporcionam maior produtividade por meio da otimização de processos.

2.     Será necessário requalificar colaboradores e gestores

Com a evolução da indústria 4.0, o Brasil terá que requalificar cerca de 10 milhões de trabalhadores da indústria até 2023. Construção, Metalmecânica, Logística e Transporte são as três principais áreas que passarão por mudanças.

No entanto, não é para menos. Com um novo movimento vindo para atingir todos os setores e empresas, os profissionais precisarão ser requalificados, afinal, serão eles os responsáveis por gerir as atualizações tecnológicas do setor.

Desta forma, é essencial que os colaboradores da indústria estejam aptos a introduzir e gerir novas tecnologias e práticas no processo produtivo das empresas.

Para que isso aconteça, os colaboradores precisarão adquirir conhecimento sobre as novas tecnologias digitais e sobre técnicas de programação e análise de dados. Além do mais, esses deverão estar aptos a resolver problemas dentro da indústria por meio de competências socioemocionais, chamadas de softskills. Ainda nesse sentido, será essencial que os colaboradores desenvolvam habilidades criativas e empreendedoras para que possam ter maior capacidade de liderança e comunicação.

3.     A indústria 4.0 deve começar por tecnologias já disponíveis no mercado e que possuam baixo custo

Antes de sair fazendo mudanças drásticas nas indústrias, os gestores precisam compreender que a indústria 4.0 vem como uma ferramenta para permitir às empresas entenderem melhor o que realmente acontece em seu chão de fábrica.

Conforme dito anteriormente, ela está para melhorar a produtividade e evitar gargalos nos processos produtivos. Por isso, a revolução 4.0 deve ser vista como um novo instrumento que vem para ajudar, apesar dos desafios a serem superados.

O que queremos dizer é que não é preciso tornar a indústria 100% digitalizada simplesmente da noite para o dia. Já é possível começar a fazer implementações da indústria 4.0 por meio de tecnologias que possuam baixo custo e que já estão disponíveis no mercado.

O uso de sensores e de tecnologias como internet das coisas, computação em nuvem e big data, por exemplo, são ferramentas que já estão disponíveis no mercado a custos acessíveis e já são capazes de ajudar gestores a compreender e analisar muito melhor o que realmente acontece em seus processos produtivos.

Além disso, as ferramentas de inteligência artificial já possibilitam que gestores possam se antever em relação a problemas como quebra de equipamentos, permitindo assim aplicar um calendário estratégico de manutenções preventivas.

Dessa forma, é possível otimizar não só a produtividade da empresa, como também a disponibilidade de recursos essenciais.

4.     Para ter sucesso, é preciso investir em pesquisa, desenvolvimento e inovação

Você certamente deve saber que as empresas mais bem sucedidas e competitivas do mercado investem em inovação. Por isso, para ter sucesso na indústria 4.0 é preciso visar à implementação de fábricas inteligentes, ágeis e flexíveis que estejam conectadas com suas cadeias de fornecimento.

Além disso, é necessário também ousar e arriscar no desenvolvimento de produtos inteligentes e conectados, ou seja, que utilizem tecnologias disruptivas capazes de atingir o mercado internacional.

Para tanto, será necessário unir dois fatores essenciais: a solidez de grandes indústrias juntamente com a criatividade e inovação de startups, que utilizam base tecnológica em seus projetos.

Conclusão

Essas são 4 ações que as empresas, sem dúvida, precisam adotar para conseguirem ter sucesso perante a quarta revolução industrial. Nesse sentido, basicamente, homem e máquina devem trabalhar lado a lado para aumentar a eficiência e os resultados do sistema produtivo.

É imprescindível ainda que tais ações possuam incentivo e apoio do Governo Federal e dos Governos Estaduais por meio de políticas públicas que deem segurança jurídica, respaldo e apoio para a indústria hoje investir e inovar.

Conforme dito, não é preciso programar uma mudança digital catastrófica de um dia para o outro, por meio dessas 4 ações e as orientações aqui mencionadas já é possível começar a trilhar o caminho da indústria 4.0 visando obter ganhos de produtividade por meio do uso de tecnologias digitais como já ocorre em alguns países, entre eles Estados Unidos, China, Alemanha e Japão.

Mais uma vez, é preciso encarar esse momento não como uma ameaça, mais sim como uma oportunidade de inovar e obter mais produtividade e eficiência dentro da indústria brasileira

Share:

Deixe uma resposta